terça-feira, 22 de abril de 2014

BENTO CEGO, O POETA DE ANTONINA. HISTÓRIAS E ESTÓRIAS XIX

Bento Cego é uma das personalidades de maior importância para a nossa cultura poética, com referências do início do século XIX.  Nascido em Antonina, no bairro do Registro no ano de 1821, cego de nascimento, cantador e violeiro, andava pelas ruas de nossa cidade “dedilhando a viola e desferindo o canto”, como nos conta Ermelino de Leão em seus escritos *. Os poemas de Bento estavam bem mais para repentes - versos improvisados – expressão apropriada e divulgada em sua época, principalmente quando se tinha um bom desafiador. Bento ganhava todas as disputas e sua fama ultrapassava os limites da Província. Em um determinado dia – conta à história – nas planícies dos Campos Gerais houve uma grande disputa com o famoso “senhor das trovas” Miguel Arriola, que lançou seu primeiro verso desafiador: “Meu ilustre Bento Cego, Homem muito sabichão, Eu quero que “mecê”me diga, Quantos pelos tem um cão? Apesar da difícil pergunta, Bento imediatamente respondeu: “Ilustre Miguel Arriola, Homem de sabedoria, Mecê pergunte pras  pulgas, Que melhor responderia”. Arriola se deu por vencido e a partir daí Bento passou a ser aclamado em vários Estados vizinhos. 
Não se tem dados quanto a data da morte de Bento Cego, mas consta que faleceu no Estado de São Paulo, palco do seu sucesso. O que se sabe é que ele morreu cantando, conforme a máxima da sua poética:

Eu hei de morrer cantando
Cantando me hei de enterrar,
Cantando irei para o céu,
Cantando conta hei de dar.

Ermelino de Leão termina o seu texto com a seguinte citação de Nestor de Castro: “Nós com a fraqueza da nossa inteligência, apenas levantamos agora esta pequena homenagem ao teu nome glorioso, em torno do qual já vão desabrochando os clarões munificentes da história”.
Pouco mais se sabe sobre a vida do grande poeta antoninense. No ano passado foi rodado um curta metragem inspirado em sua pequena história, com cenas rodadas em Antonina e periferia, que contou com a direção do cineasta Geraldo Pioli,  e com a participação do músico e compositor antoninense Alecir Carrigo, interpretando Bento Cego.

Referência Bibliográfica: LEÃO, Ermelino. “Antonina, Fatos e Homens”, pub. 1926. Original.
Extraído do livro “Crônicas da Capela” 2006. Publicado no blog Palavradobo em 28 de junho de  2002.   
 

AGUINALDO, O PROFETA DE ANTONINA - HISTORIAS E ESTÓRIAS XVIII

Acredite se quiser! Mas nossa comunidade já teve o seu profeta. Aguinaldo Vieira da Silva, alagoano da cidade de Penedos, nasceu em 28 de abril de 1914. Vítima de paralisia infantil desde os doze anos de idade viveu em Paranaguá, quando – assim conta a lenda – recebeu uma visão de Nossa Senhora que o curou e lhe incumbiu essa missão. A fama de curandeiro ultrapassou os limites da cidade chegando a perturbar a classe médica que o acusou de charlatanismo, sendo perseguido pela polícia. Foi aí que fugiu de lancha para Antonina, fixando residência no bairro da Graciosa de Baixo, aonde mais tarde, também veio sofrer perseguições. Por solicitação das autoridades foi morar em um bairro mais distante do centro da cidade, onde residiu no Matarazzo por apenas 26 dias. 
Aguinaldo faleceu na tarde de 21 de maio de 1933. Contam ainda, que o seu funeral foi acompanhado por mais de quatro mil pessoas, que se amontoavam pelas estreitas ruas da cidade como último gesto de agradecimento.

Seu corpo foi enterrado na rua central do Cemitério São Manoel, no Batel. Mas até os dias de hoje, um túmulo com o seu epitáfio recebe centenas de devotos que acreditam nos milagres do profeta. Deixam garrafas com água e levam para suas casas como remédio para as suas enfermidades. É a fé do povo fazendo a nossa cultura.
Ao comentar esse acontecimento não tenho intenção em promover o credo à figura eminente do “profeta”, mas resgatar um pouco das nossas coisas, dos valores culturais da nossa comunidade.

(As datas e dados foram colhidos de um folheto que foi impresso por pessoa agraciada com uma graça, não tendo nenhum valor científico). Extraído do livro “Crônicas da Capela” 2006.Publicado no blog Palavradobo em 28 de junho de  2002.    

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Moribunda...Vale a pena ler de novo?

Publicado em 31/03/2009 e no livro "tenho Dito" 2012.

APÓS NOVENTA DIAS, MORIBUNDA CONTINUA VIVA

 

era de se esperar. Passados noventa dias, a atual equipe responsável em salvar a moribunda do estado em que se encontra há mais de trinta anos não conseguiu, até o momento, visíveis melhorias. Os familiares mais chegados e confiantes já começam a se preocupar.
“O quadro apresentado é pior do que se pensava”, argumenta o chefe da equipe, após análise criteriosa do prontuário e do resultado obtido através de ressonância magnética. Foram constatados problemas principalmente de acefalia, somados ainda à prisão de ventre, infecção nos artérias, artrites, pressão alta, diabetes e um alto grau de hemorroidas, doença altamente hereditária. Não há sinal do fígado no exame e a polícia foi avisada, pois há indícios de tráfico de órgãos.
O coração ainda bate, mais ainda funciona devido à medicação contínua de “esperançadina” fornecida pelos familiares, de quatro em quatro anos.
A aparência da paciente não é das melhores, pois espanta todo o visitante mal avisado, coisa que não parece preocupar a maioria de seus familiares, que já se acostumou com aquela condição. Também é de lamentar o estado de locomoção. Infelizmente consegue apenas fazer suas necessidades fisiológicas e retorna para seus aposentos. Passos para frente somente serão possíveis com ajuda de pessoal especializado e após muita terapia e vontade compartilhada: paciente, corpo clínico e familiares.
Até a equipe nomeada para dar uma maquiagem e deixar a paciente em melhores condições ainda não conseguiu êxito. Uma hora falta pigmento, outra falta água... E o mais desanimador é que até os encarregados fazem corpo mole e dizem que não trabalham se não receberem horas extras.
Após este breve diagnóstico, os familiares já começaram a se reunir e vão dar mais um prazo para a atual equipe clínica tentar tirar a moribunda da UTI (Unidade de Tentativa Inútil) e fazer com que a paciente, lentamente, possa achar seu caminho de recuperação, voltar a andar e conviver com seus familiares.
Apesar do seu estado calamitoso, é bom ressaltar que a paciente ainda continua VIVA.
VIVA a paciente.

P.S. Qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência.




sexta-feira, 4 de abril de 2014

FESTIVAL DE INVERNO DA UFPR

Propostas para ministrantes de oficinas - 24º Festival de Inverno da UFPR – que será realizado de 19 a 26 de julho – Antonina. Veja regulamento: http://www.proec.ufpr.br/festival2014/index.html


quarta-feira, 2 de abril de 2014

JOÃO TURIN

Hoje recebi a visita do escultor e amigo Elvo Benito Damo, responsável pela parte técnica da Casa João Turin/Curitiba. Elvo está tirando cópia de um dos relevos de autoria do escultor paranaense João Turin, acervo da Câmara Municipal de Antonina, cuja figura escultórica é nosso poeta maior Bento Cego, famoso cantador e repentista do início do século XIX, 1821.




terça-feira, 1 de abril de 2014

PRONUNCIAMENTO

O Prefeito Municipal de Antonina deverá fazer pronunciamento, ainda hoje, em rede de rádio e internet, pedindo desculpas por seus atos de arrogância e truculência e anunciar seu novo secretariado, cujas escolhas, teve como critério a qualificação em cada área. Boa Nota!*



* Gostou né...Mas é “Primeiro de Abril” Dia da Mentira.

sexta-feira, 28 de março de 2014

ESTRADA DA GRACIOSA

Estado de abandono do monumento
Após o deslizamento de uma encosta na histórica Estrada da Graciosa (bom lembrar que a Graciosa liga Antonina/Curitiba) que ficará interditada pelo menos por seis meses – de acordo com declarações do DER – para sua recuperação. Vem despertando interesse da comunidade usuária pela centenária estrada, que por muitas décadas foi à única alternativa rodoviária para se chegar às terras litorâneas.
Por aqui – início da estrada e hoje “final de linha” enquanto se espera sua restauração, seria interessante que o pessoal da prefeitura – por iniciativa da Secretaria de Cultura e Turismo – recupera-se o marco histórico da Estrada, o qual se encontra em total abandono e descaso (ver foto).
O marco foi construído na década de sessenta, quando o antigo Portão Comemorativo, foi demolido, permitindo então o tráfego de veículos maiores com destino ao porto capelista.

Um pouco de conhecimento da nossa história não faz mal a ninguém. Muito menos carinho com o nosso patrimônio. Tenho dito!
Antigo portão comemorativo a Estrada da Graciosa

quinta-feira, 27 de março de 2014

Mobilização Nacional

A hora da verdade.
Governo não atende pauta dos SPF e entidades devem intensificar mobilização

O governo federal deu uma demonstração clara nesta quarta-feira (19) de que não há disponibilidade em negociar com os servidores públicos federais (SPF). O recado foi transmitido na reunião entre representantes do Fórum das Entidades Nacionais do SPF e membros da Secretaria de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (Mpog), que aconteceu durante o ato realizado pelos servidores na Esplanada dos Ministérios, em Brasília (DF). 

A atividade contou com a presença de centenas de manifestantes de diversas categorias do funcionalismo público e integra o Dia Nacional de Mobilização chamado pelo Fórum. Em diversas cidades do país, os docentes federais se uniram aos demais servidores e foram às ruas cobrar atendimento à pauta unificada da categoria, em defesa de serviços públicos de qualidade e valorização dos SPF. 

Segundo informe passado após a reunião com o Mpog, o Secretário de Relações do Trabalho (SRT/Mpog) Sérgio Mendonça recebeu os dirigentes, acompanhado de sua equipe, e foi explícito ao informar que o governo entende que há um acordo vigente, firmado em 2012 com várias categorias do funcionalismo, e que não irá negociar, nem a pauta específica das categorias nem a unificada dos SPF, e que não há margem orçamentária para revisão do acordado. 

De acordo com Paulo Barela, representante da CSP-Conlutas na mesa, o secretário da SRT/Mpog disse apenas que seria possível refletir sobre a possibilidade de reajuste nos benefícios sociais. “Reivindicamos um calendário de reuniões para manter a porta aberta e Mendonça respondeu que não há necessidade, pois isso não irá reverter a posição do governo”, comentou Barela.

O coordenador da CSP-Conlutas informou que as entidades cobraram do governo uma resposta escrita e oficial à pauta protocolada em janeiro, o que foi prometido para o final de março, e informaram que as entidades devem intensificar as mobilizações. “Já existe uma greve em curso e várias entidades já têm uma agenda de ações. Vamos intensificar a mobilização para pressionar o governo a mudar essa postura intransigente, como fizemos em 2012”, finalizou.